Resultados on-line de exames


Médicos / Convênios


Pacientes

*PACIENTES: O Número de identificação e a senha encontram-se no seu protocolo de atendimento.
*MÉDICOS / EMPRESAS: O número de identificação e a senha são informados pelo laboratório. Caso ainda não possua, entre em contato conosco.
ATENÇÃO: Desabilite o bloqueador de Pop-up para conseguir acessar os resultados.

Vacinas

As vacinas são recursos indispensáveis para a saúde individual e pública. Através da imunização é possível prevenir infecções e impedir que várias doenças acometam nossa saúde, dos nossos filhos, e de toda a população.

Quando pensamos que, além de todas os problemas que a doença nos traz, gastaremos certamente mais que o valor da vacina em remédios para erradicá-la, as vacinas podem ser vistas como um investimento em saúde.

E o sábio ditado popular já diz: Melhor PREVENIR do que remediar!

Lembre-se: A vacinação é a maneira mais eficaz de prevenir doenças. Portanto, fique atento às campanhas e aos calendários de vacinação, que correspondem ao conjunto de vacinas prioritárias no Brasil.

Trabalhamos com toda segurança dos mais rígidos padrões da Vigilância Sanitária. Mantenha sua imunização em dia.

As vacinas são extremamente sensíveis à variação de temperatura. A forma mais segura de armazenar as vacinas e garantir sua melhor eficácia é em geladeira própria e com gerador de energia.

O laboratório Prudential possui estes requisitos. Sempre confira!!

Vacinar é um ato de amor!

Muitas vezes nosso ramal está ocupado pois estamos na aplicação da vacina.

Para saber valores e disponibilidade das vacinas, ligue ou envie um email através do contado deste site.

Perguntas frequentes

1. O que é uma vacina ?

É uma substância quimicamente semelhante a, ou derivada de um agente infeccioso particular, causador de doença, que vai ser reconhecida pelo sistema imunológico do vacinado produzindo anticorpos. Em caso de futura infecção, o sistema imune responderá com rapidez e eficácia suficientes para proteção efetiva contra a doença.

2. Quais as reações mais comuns das vacinas?

As reações locais são as mais frequentes, relacionadas às vacinas injetáveis, manifestando-se desde dor, vermelhidão, inchaço / edema de intensidade variável.

Reações sistêmicas, os seja, com repercussões em todo o organismo (anafilactóides / alérgicas ou convulsões por exemplo) são raras pois a primeira resposta do sistema imune, quer a uma vacina, quer ao agente infeccioso é geralmente lenta e inespecífica. Pode , eventualmente ocorrer febre, mal-estar, irritabilidade dor de cabeça, vômitos ou sonolência.

3. Qual a diferença entre vacinas combinadas, conjugadas e valentes?

Nas combinadas existem diferentes antígenos (vírus ou bactérias) na mesma vacina (Tríplice viral – sarampo, caxumba e rubéola, por exemplo); Nas conjugadas, um polissacarídeo da cápsula é conjugado a uma proteína carreadora, a fim de produzir uma resposta imunológica mais eficaz e induzir memória duradoura (Vacina contra o Haemophilus influenzae b - Hib, por exemplo); Nas valentes temos vários sorotipos, de vírus ou bactérias, na mesma vacina (Pneumo 13valente, HPV Quadrivalente, por exemplo).

4. Quais as vias de administração e locais mais frequentes?

Oral : poliomielite, rotavírus, e também para as novas vacinas de cólera e febre tifoide.

Intradérmica : a concentração de células que reconhecem o antígeno na derme é superior às outras regiões do organismo, daí a resposta mais rápida e intensa quando comparada à SC e à IM. Emprego clássico da BCG; Pode ser utilizada como alternativa para a antirrábica, hepatite B e influenza. A técnica deve ser precisa, sem antissepsia com álcool, distendendo-se a pele no local da aplicação, e verificando a formação de uma pápula esbranquiçada durante a injeção.

Subcutânea (SC) : geralmente indicada para vacinas de vírus atenuados (SCR, varicela, febre amarela). É feita no tecido celular subcutâneo (TCSC), fazendo uma prega com dois dedos evitando o levantamento da fascia muscular. Não se recomenda a aspiração, tampouco a massagem após a aplicação.

Intramuscular (IM) : geralmente indicada para vacinas de vírus inativados (DTPa, hepatite B, antirrábica, influenza) ; Em crianças menores de 2 anos dar preferência para face lateral da coxa. O posicionamento adequado do músculo de forma que fique mais relaxado mostrou ser capaz de diminuir a dor e o desconforto da injeção.

5. O que posso fazer para diminuir a dor local?

Existem procedimentos que podem ser feitos antes, durante e depois da aplicação da vacina:

Antes :

Uso de anestésicos tópicos (creme), com orientação médica, colocados apropriadamente no local da aplicação (que deve se previamente identificado), cerca de 20 minutos antes. Contra-indicados na BCG.

Ingestão de Sacarose ou Glicose cerca de 2 minutos antes.

Durante:

Posicionamento adequado, principalmente da criança, que deve ser contida pelo familiar (estando este calmo, consciente e psicologicamente equilibrado).

Relaxamento muscular, pois na contratura há piora da dor.

A mãe pode amamentar a criança durante a aplicação, ou logo após, para acalmá-la.

Pode-se massagear em outro local a fim de distraí-la.

Ordem de aplicação, quando são feitas duas vacinas no mesmo dia : sempre a mais dolorida para o final.

Depois:

Nas primeiras 24 hs compressas frias podem ser colocadas no local da aplicação; a partir das 24 hs, compressas mornas.

Analgésicos e/ou anti-inflamatórios devem ser indicados e prescritos com ordem médica.

6. Qual o intervalo ideal entre as vacinas?

O intervalo ideal pode ser encontrado no calendário do Programa Nacional de Imunizações (PNI) – Ministério da Saúde, e também no site da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

Intervalos superiores ao recomendado : a interrupção ou o atraso não reduzem a concentração de anticorpos e, desenvolvida a memória imunológica, independente do tempo decorrido da última dose, completa-se o esquema com o número de doses que sejam necessárias.

Intervalos inferiores ao recomendado : o importante é respeitar sempre o intervalo mínimo entre as doses e a idade mínima para administração das vacinas. Aplicação com intervalos menores que o mínimo, diminuem a resposta imunológica, e doses em intervalos muito curtos não devem ser consideradas válidas.

7. E qual o intervalo se forem vacinas diferentes?

Depende dos tipo de vacinas a serem administradas:

Inativado / Inativado : Podem ser feitas simultaneamente, ou com qualquer intervalo

Vírus atenuados (oral ou injet.) / Inativado : Podem ser feitas simultaneamente, ou qualquer intervalo

Vírus atenuados injet. / Vírus atenuados injet. : Se não forem feitas simultaneamente, intervalo mínino de 28 dias

Vírus atenuado orais / Vírus atenuados injet. : Simultaneamente, ou qualquer intervalo

Vírus atenuados orais / Vírus atenuados orais : Sabin e Rotavírus, podem ser dadas no mesmo dia, ou com intervalo de 15 dias

8. Posso combinar as vacinas?

Sim, podemos associar uma vacina combinada a uma conjugada (DTPa + Hib), geralmente com as inativadas.

9. Qual a composição das vacinas?

Elas são formadas por: antígeno (agente infeccioso), diluente (água estéril ou constituintes biológicos), conservantes / antibióticos / estabilizadores (para evitar invasões bacterianas, ou dar estabilidade ao antígeno), e adjuvantes (compostos à base de alumínio que aumentam o efeito da resposta imunológica).

10. Qual a diferença entre reforço e doses múltiplas?

Reforço é aplicação de mais uma dose de determinada vacina com o objetivo de restabelecer a quantidade ideal de anticorpos que eventualmente tenha se reduzido com o passar do tempo.

Dose múltipla é uma segunda dose, cuja recomendação não de baseia em perda de imunidade, mas na necessidade de prevenir eventual falha na resposta à primeira dose da vacina.